FGTS, é melhor nunca atrasar e sempre provisionar.

FGTS

O FGTS(Fundo de Garantia por Tempo de Serviços) é uma “poupança” que o governo federal obriga o empregador a fazer para  seus funcionários com carteira assinada.

Os depósitos do FGTS devem ser efetuados mensalmente até o dia 7 (sete) do mês subsequente ao de sua competência. Quando o dia 7 não for dia útil, o recolhimento deverá ser antecipado. Por exemplo, em janeiro/2015 recolheremos o FGTS da folha de pagamento de dezembro/2012.  Esse corresponde a 8% de tudo que o trabalhador recebe como salário, férias, comissões, décimo terceiro salário etc.No caso de contrato de trabalho firmado nos termos da Lei n.º 11.180/05 (Contrato de Aprendizagem), o percentual é reduzido para 2% Esses valor, ao contrário da da GPS, não pode ser descontado do funcionário.

O funcionário pode saber se tal depósito está sendo feito a partir do extrato do FGTS,  recebido em casa a cada 2 meses. Se não estiver recebendo o extrato, o trabalhador deverá informar seu endereço completo em uma agência da CAIXA, pelo sítio da CAIXA, na internet ou, ainda, pelo 0800 726 01 01.

A demissão sem justa causa gera uma multa de 40% sobre o saldo do FGTS. Por isso, fica a dica, provisione, a conta poderá ficar alta.

O Fisioterapeuta Empresário poderá observar sua situação a partir do link: https://www.sifge.caixa.gov.br/Cidadao/Crf/FgeCfSCriteriosPesquisa.asp

Encargos das empresas por atraso no recolhimento do Fundo chegam a 5% no primeiro mês e depois dobram incidindo ainda alíquotas definidas pela CEF.

 

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

 

Maiores Informações:

http://www.caixa.gov.br/fgts/

http://odia.ig.com.br/portal/economia/fgts-quem-atrasa-paga-multa-1.532203

Fisioterapia no SIMPLES, agora é nossa vez!!!

Dia 07/08/2014 vamos todos lutar pela inclusão da Fisioterapia no SIMPLES.

Dia 07/08/2014 vamos todos lutar pela inclusão da Fisioterapia no SIMPLES.

A Fisioterapia brasileira está prestes a entrar em nova fase. Dia 07/08/2014 está agendado o sancionamento da lei de inclusão de nossa profissão no SIMPLES, regime tributário que visa reduzir de maneira importante a tributação sobre os pequenos negócios em Fisioterapia. Contudo, ainda corremos o risco de sofrer um veto da Presidente Dilma Por isso, venho, aqui, pedir aos leitores de nosso blog que:

* Envie mensagem para o email: gabinetepessoal@presidencia.gov.br solicitando que nos mantenha no Anexo III.

*Envie email  para cerimonial.smpe@planaldo.gov.br até hoje para confirmar sua presença na votação (mesmo que não possa ir)

Compartilhe esse post ou as informações nele contidas para o máximo de contatos que possuir

 

Abraços a todos

 

Luis Henrique Cintra

FISIOTERAPIA NO SIMPLES – Agora só falta a sanção presidencial

Fisioterapia no Simples

O projeto de INCLUSÃO DA FISIOTERAPIA NO SUPERSIMPLES foi aprovado ontem no Senado, esperando, agora, somente a sanção da presidenta Dilma para que concluamos mais essa etapa rumo a nossa autonomia.

Quem tem um negócio em Fisioterapia conhece bem o peso que a folha de pagamento e impostos causam no cotidiano de suas empresas. Hoje, a grande maioria dessas trabalha sob o REGIME TRIBUTÁRIO DE LUCRO PRESUMIDO. Isso gera 14,33% de impostos pagos sob o faturamento fiscal e ainda arca com todos os custos da folha de pagamento como a Contribuição Patronal Previdenciária de 25,8% . Passamos, ontem por mais uma etapa, a APROVAÇÃO NO SENADO DA INCLUSÃO DESSAS NO ANEXO III DO SUPERSIMPLES. Duas colegas, dentre outros, participaram efetivamente desse processo: Marlene Izidro e Izabela Álvares que, como dito nas redes sociais, existia há 5 anos.

Para saber mais sobre como ficará sua folha de pagamento e ou custos com impostos acesse os artigos abaixo:

SIMPLES – Mais uma conquista de nossa classe.

Serie Contabilidade – A folha de pagamento

Série Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa física?

Série Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa jurídica?

 

FONTE: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2014/07/16/aprovada-ampliacao-do-supersimples-a-todo-o-setor-de-servicos

 

Luis Henrique Cintra

 

 

 

Série Consultoria – O valor da hora de seu negócio em Fisioterapia

Hora_de_trabalho

O cálculo da hora do Fisioterapeuta Empresário é feito como de qualquer outro prestador de serviços. Embora existam muitas formas de PRECIFICAÇÃO, abordarei nesse artigo uma fórmula simples para guiar o profissional, ou empresário, em cima do valor mínimo que esse deve praticar. Isso não levará em conta o seu know-how, impostos gerados ou qualquer outra forma de “valor agregado”.

O cálculo do valor mínimo será aplicado a partir do do conhecimento dos INVESTIMENTOS PRÉ-OPERACIONAIS, INVESTIMENTOS FIXOS  e dos CUSTOS FIXOS que o profissional precisou ter para exercer sua atividade laboral.

Os INVESTIMENTOS PRÉ-OPERACIONAIS + INVESTIMENTOS FIXOS são aqueles em que o profissional precisa fazer preparando a sua plataforma de atendimento, ou seja, tais custos foram realizados antes do desse realizar qualquer tipo de procedimento. Alguns exemplos:

  • Reformas
  • Legalização
  • Taxas
  • Registros da empresa
  • Projetos
  • Máquinas
  • Equipamentos
  • Acessórios

Imaginemos que você gastou com todos esses ítens R$ 24000,00(vinte e quatro mil reais), e pretende ter esse dinheiro retornando em 2 anos. O primeiro cálculo a ser feito é que se esse valor fosse aplicado, em poupança com um juros de 0,5% ao mês, você teria no final de 2 anos:  R$ 27051,83. Como você preferiu “outro investimento” diremos que você estará investindo R$ 1127,16 por mês que seu negócio possa existir, estruturado e legalmente constituído.

Agora você precisará manter o seu negócio aberto e funcionando. Apresentaremos, então, os CUSTOS FIXOS. Esses, são aqueles que você terá por mês atendendo ou não clientes. Seja num consultório, clínica ou em atendimentos domiciliares, você terá tais custos. Veja alguns exemplos de CUSTOS FIXOS:

  • Aluguel
  • Água
  • Luz
  • Telefone
  • Condomínio
  • Salários
  • Manutenção

Digamos que a soma de todos esses valores seja em torno de R$ 2000,00. A soma dos 2 valores será de R$ 3127,16.

Agora colocaremos que você estará “disponível” 8 horas por dia para o trabalho, isso por 20 dias no mês.

CUSTO DO DIA: R$ 156,35

CUSTO DA HORA: R$ 19,54

Concluindo nosso raciocínio você gastará a cada hora que passar no dia R$ 19,54 reais para ter um negócio em Fisioterapia. Por isso, não podemos simplesmente esperar que os clientes adivinhem que estamos trabalhando. É necessário o aprimoramento de outras ferramentas para que possamos fazer nosso negócio prosperar. O barateamento dessa hora poderá acontecer na REDUÇÃO dos CUSTOS FIXOS, mas, você nunca poderá oferecer um desconto maior do que o valor mínimo apresentado.

 

Luis Henrique Cintra
Consultor de Negócios em Saúde

 

Série Consultoria – Fudamentação

consultoria em fisioterapia

O termo Consultoria, embora conhecido, não tão comumente aplicado nas empresas de Fisioterapia. Se olharmos ao longo de nossa história veremos que passamos por inúmeras fases mas, talvez, não tenhamos atingido a excelência empresarial que tanto precisamos.

Há vários tipos de consultoria(organizacional, financeira, logística etc), nem todas serão necessárias para que o empresário atinja seus objetivos. Porém, antes de contratar um consultor é importante que o contratante conheça bem a sua empresa, mas, que devido às circunstâncias não consegue enxergar as alternativas para que seu negócio mude para melhor.

Para que você, proprietário de algum serviço de fisioterapia, inicie o processo de conhecimento de sua empresa é necessário analisar suas rotinas de maneira fria e imparcial. Muitas vezes, será preciso até prejudicar-se em curto prazo visando um melhora futura.

Nossos próximos posts  serão úteis  para lhe ajudar a identificar alguns ítens que acima mencionamos.

 

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Série Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa física?

RECIBO1Ser Fisioterapeuta autônomo talvez seja uma das atividades mais comuns em nossa área. Como profissionais da saúde, exercemos uma atividade diretamente relacionada a um função do Estado. Isso nos põe em condições diferentes daquelas observadas noutros profissionais de outras áreas em relação à RECEITA FEDERAL, porém, é preciso conhecer alguns detalhes sobre a emissão de recibos, pois esses  caracterizarão os CUSTOS VARIÁVEIS DA PESSOA FÍSICA.

A emissão de recibos não precisa ser espontânea, mas nunca deve ser forçada. Talvez, pudéssemos, até, caracterizar como um diferencial na prestação de serviços. Contudo, o fisioterapeuta precisa está atento na precificação para que o  valor do imposto esteja embutido no valor cobrado ao cliente.

Você pode acessa em nossa bibliografia para gestores as alíquotas de imposto de renda  e realizar dessa forma uma programação tributária. Por exemplo:

Você poderá emitir até R$ 1.787,77 por mês sem pagar imposto de renda, se você emitir R$ 3000,00 mensais, você teria 15% de imposto de renda a recolher R$ 450,00,  mas poderia deduzir até R$ 335,03 . Ou seja, você pagaria somente R$ 114,97.

 

Veja também: http://economia.uol.com.br/ultnot/multi/2010/03/18/0402983366CCB95326.jhtm?contador-fala-sobre-a-parcela-a-deduzir-do-imposto-de-renda-0402983366CCB95326

 

Luis Henrique Cintra

 

 

 

Série Contabilidade – O que são custos variáveis na pessoa jurídica?

custos variaveis2

Podemos definir como custos variáveis aqueles que variam com o faturamento de um serviço de Fisioterapia, seja essa efetuado através de uma empresa ou então de uma pessoa física. Esses valores podem estar relacionados a a emissão, ou não, de recibos ou notas fiscais.
Quando uma empresa emite uma nota fiscal referente ao pagamento de seus serviços por uma OPS, por exemplo, ela  gerará impostos sobre esse pagamento. Em algumas operadoras temos parte desse desconto ainda na fonte, ou seja, no ato do pagamento. A grande maioria das empresas de Fisioterapia trabalham no REGIME TRIBUTÁRIO DE LUCRO PRESUMIDO, sendo tributadas da seguinte forma:
 
TRIBUTOS FEDERAIS
IRPJ:  4,8%
CSLL: 2,88%
PIS: 0,65%
COFINS: 3,00%
 
TRIBUTO MUNICIPAL(pode variar de acordo com a cidade)
ISS: 3,00%
 
Ao somarmos teremos então 14,33% de tributação sobre nossos serviços. Atualmente, nós Fisioterapeutas, temos uma proposta que já passou Câmara dos Deputados para a inclusão das empresas de Fisioterapia no SIMPLES. Caso tal lei seja sancionada ainda em 2014, as empresas poderão migrar para esse regime no começo de 2014 e serão tributadas de acordo com o seu faturamento. Até R$ 120.000,00(cento e vinte mil reais) esse será de 6%.
Caso a empresa tenha algum tipo de “produtividade” paga aos seus funcionários, essa também constitui um custo variável.
Supondo que a produtividade do profissional que o realizou seja de 30% o cálculo ficará:
 
FATURAMENTO FISCAL  MENSAL: R$ 12000,009LUCRO PRESUMIDO)
 
– Impostos pelo LUCRO PRESUMIDO: R$ 1719,6
– Produtividade: R$ 3084,12
O que sobra chamamos MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO já abordada em nossos posts.
 
Abraço a todos
 
Luis Henrique Cintra

 

 

Serie Contabilidade – A folha de pagamento

folhadepagamento

A folha de pagamento faz parte dos CUSTOS FIXOS de uma empresa de Fisioterapia como já discutido noutro post de nosso blog. Talvez, essa, seja um dos maiores custos de nossas empresas, pois,  nossa mão de obra é altamente especializada e  os valores pagos geram encargos que iremos discutir em detalhes.

Imaginemos que empreguemos um Fisioterapeuta um salário de R$ 1800,00, vejamos os custos:

 

SALÁRIO R$ 1.800,00
GPS R$ 482,4
FGTS R$ 144,00
V.TRANS R$ 82,72
13 SALÁRIO R$ 150,00
GPS R$ 40,20
FGTS R$ 12,00
FÉRIAS R$ 200,00
GPS R$ 53,60
FGTS R$ 16,00
TOTAL R$ 2.980,92

 

Esse seria o custo mensal de 1 Fisioterapeuta com salário de R$ 1800,00. Não podemos esquecer, que para nosso colega exercer seu trabalho, esse precisará de pessoal de apoio. Ao somar o salário de todos teremos então um custo aproximado de nossa folha de pagamento. Seguem alguns tributos que hoje nos massacram:

FGTS: 8% que incide sobre salário, férias e 13 salário.

GPS:  25,8% que incide sobre salário, férias e 13 salário.

A vinda do SIMPLES poderá desonerar nossa FOLHA DE PAGAMENTO em mais de 20% facilitando, dentre outras coisas, uma maior contratação ou regularização de profissionais. Não esqueçamos que no ANEXO III, onde fomos enquadrados, a CPP(Contribuição Patronal Previdenciária) reduz de 25,8% para 4%, contudo, não há interferência no cálculo do FGTS ou do vale transporte.

 

Luis Henrique Cintra

 

 

 

 

SIMPLES – Mais uma conquista de nossa classe.

simples fisioterapia

Quem tem um negócio em Fisioterapia sabe das inúmeras dificuldades para mantê-lo  funcionando, sejam essas operacionaIs, sejam essas financeiras. Ontem, 04/06/2014, tivemos uma vitória histórica para nossa categoria, além de conseguir entrar no SIMPLES, estamos, também, no ANEXO III.  Isso significa os seguintes tributos: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição para a Seguridade Social destinada à Previdência Social a cargo da pessoa jurídica (CPP), antes pagos de maneira separada, agora irão ser unificados como descrevem a tabelas abaixo:

VEJA COMO ESTAMOS ATUALMENTE

IRPJ:  4,8%

CSLL: 2,88%

PIS: 0,65%

COFINS: 3,00%

ISS: 3,00%

CPP: 26,8/% sobre a folha de pagamento

 

VEJA COMO FICAREMOS

RECEITA BRUTA                                                   ALÍQ        IRPJ         CSLL     COFFINS      PIS           CPP           ISS
Até 120.000,00 6,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 4,00% 2,00%
De 120.000,01 a 240.000,00 8,21% 0,00% 0,00% 1,42% 0,00% 4,00% 2,79%
De 240.000,01 a 360.000,00 10,26% 0,48% 0,43% 1,43% 0,35% 4,07% 3,50%
De 360.000,01 a 480.000,00 11,31% 0,53% 0,53% 1,56% 0,38% 4,47% 3,84%
De 480.000,01 a 600.000,00 11,40% 0,53% 0,52% 1,58% 0,38% 4,52% 3,87%
De 600.000,01 a 720.000,00 12,42% 0,57% 0,57% 1,73% 0,40% 4,92% 4,23%
De 720.000,01 a 840.000,00 12,54% 0,59% 0,56% 1,74% 0,42% 4,97% 4,26%
De 840.000,01 a 960.000,00 12,68% 0,59% 0,57% 1,76% 0,42% 5,03% 4,31%
De 960.000,01 a 1.080.000,00 13,55% 0,63% 0,61% 1,88% 0,45% 5,37% 4,61%
De 1.080.000,01 a 1.200.000,00 13,68% 0,63% 0,64% 1,89% 0,45% 5,42% 4,65%
De 1.200.000,01 a 1.320.000,00 14,93% 0,69% 0,69% 2,07% 0,50% 5,98% 5,00%
De 1.320.000,01 a 1.440.000,00 15,06% 0,69% 0,69% 2,09% 0,50% 6,09% 5,00%
De 1.440.000,01 a 1.560.000,00 15,20% 0,71% 0,70% 2,10% 0,50% 6,19% 5,00%
De 1.560.000,01 a 1.680.000,00 15,35% 0,71% 0,70% 2,13% 0,51% 6,30% 5,00%
De 1.680.000,01 a 1.800.000,00 15,48% 0,72% 0,70% 2,15% 0,51% 6,40% 5,00%
De 1.800.000,01 a 1.920.000,00 16,85% 0,78% 0,76% 2,34% 0,56% 7,41% 5,00%
De 1.920.000,01 a 2.040.000,00 16,98% 0,78% 0,78% 2,36% 0,56% 7,50% 5,00%
De 2.040.000,01 a 2.160.000,00 17,13% 0,80% 0,79% 2,37% 0,57% 7,60% 5,00%
De 2.160.000,01 a 2.280.000,00 17,27% 0,80% 0,79% 2,40% 0,57% 7,71% 5,00%
De 2.280.000,01 a 2.400.000,00

 

Essa medida ainda terá que passar pelo Senado e pelo sancionamento da presidência da república, mas, com certeza, demos um passo gigantesco para o empreendedorismo na Fisioterapia brasileira, pois teremos maior facilidade de contratar Fisioterapeutas e demais profissionais de apoio que garantam a qualidade necessária aos nossos serviços.

O Blog Fisioterapeutas Empresários parabeniza todos os colegas e agradece em especial ao Presidente do COFFITO Roberto Cepeda , Marlene  Izidro e Izabela Alvares  e todos os membros da FENAFISIO por todo empenho na conquista desse objetivo.

 

Luis Henrique Cintra