Vamos construir 2015

2015_Juntos

No livro “O símbolo perdido” de Dan Brown tive a oportunidade de ler “um pouco” sobre a Ciência Noética”(http://pt.wikipedia.org/wiki/No%C3%A9tica) e fiquei impressionado com o poder do pensamento positivo. Estamos nesse mundo, assim como todos os animais,  literalmente sobrevivendo pelo tempo que conseguirmos, e certamente nossa existência não será perpetuada por atribulações que nos pré-ocupam, tomando, assim, nosso precioso tempo.

Existe uma fábula que diz que os porcos-espinhos para sobreviverem no inverno, época de sua hibernação, ficam uns sobre os outros. Suportam a dor em detrimento da preservação da espécie.

Vamos trabalhar minha gente, vamos estudar, vamos produzir, vamos ser mais úteis e menos egoístas em 2014. Deus não nos deu a capacidade de prever o futuro mas, de tentar construí-lo, ou,  pelo menos, de influenciá-lo. O futuro, meus amigos, não pertence a Deus, ele é de nossa inteira responsabilidade.

FELIZ 2015

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

Anúncios

2014 de luta, 2015 de esperança…

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 55.000 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 20 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo

Cooperativa de Terapeutas – Utopia ou necessidade?

Cooperativa de Terapeutas

As OPS(Operadoras de Planos de Saúde), hoje existentes no mercado, surgiram da necessidade do público em geral de ter alguém para assegurar-lhes os serviços de saúde. Por outro lado,  um grupo de profissionais, MÉDICOS espalhados por todo o BRASIL, resolveu  unir-se, sob forma de COOPERATIVAS, com o objetivo de prestar serviços de saúde. Dessa maneira esses profissionais criaram suas tabelas e eram contratados, ora pelo Estado, ora por empresas(hospitais, clínicas, ambulatórios etc) para o exercício de suas atividades. Daí, surgiram as primeiras TABELAS DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS que unificava boa parte das atividades feitas por tais colegas.

Como a visão de saúde extrapola a necessidade de somente colegas médicos, outros profissionais(enfermeiros, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais etc) foram englobados nessa prestação de serviços ao usuário. Contudo, esses foram classificados como “funcionários” das instituições de saúde privadas ou públicas, e não como prestadores de serviços. Dessa forma, o raciocínio sobre uma tabela de procedimentos não foi desenvolvido por muitos anos, pois o profissional TERAPEUTA recebia salário. Isso não significa que não houvesse tal tabela, mas que essa descrevia procedimentos que não eram “privativos da categoria”, pelo menos na prática. Na Fisioterapia, por exemplo, por anos os procedimentos eram fisiátricos. Enfim, NÓS, TERAPEUTAS, sempre fomos vistos, ou então nos comportamos,  como mão de obra para “arrumar” as coisas, e não como profissionais liberais que devemos receber pela complexidade dos procedimentos realizados. Até hoje, colegas Enfermeiros trabalham sob sistema de plantão e NUNCA PELOS PROCEDIMENTOS REALIZADOS.

Empresas  de Fisioterapia foram criadas mas isso só gerou novos problemas, pois essas não conseguiam remunerar seus Fisioterapeutas devido aos baixos honorários pagos pelas operadoras, sem contar com concorrência desleal frente a outras que contratam estagiários. Para fugir da baixa remuneração, as empresas de Fisioterapia começaram a oferecer serviços individuais ou, então, outros que, por enquanto, ainda não são cobertos pelas OPS.

Hoje, algumas das antigas cooperativas médicas, transformaram-se em imensas OPS, a UNIMED é um exemplo. Por não a UNITERA?

Venho então, lançar, ou talvez reforçar, aqui, a idéia de uma COOPERATIVA DE TERAPEUTAS. Essa seria formada por odos os profissionais que não sejam médicos, mas que na Classificação Brasileira de Ocupações trabalhem na saúde. Tal entidade seria A GRANDE PRESTADORA DE SERVIÇOS PARA AS OPS DE ATIVIDADES PRIVATIVAS DOS TERAPEUTAS. As negociações por melhores honorários seriam feitas entre tais entidades jurídicas. Como o tempo tal cooperativa poderia se estruturar cada vez mais e quem sabe oferecer, aos seus cooperados, ‘ESPAÇOS TERAPÊUTICOS’ para o exercício de cada atividade.

Vamos amadurecer a visão do cooperativismo amigos. 1 mais 1 sempre mais que 2, assim, teremos nossa AUTONOMIA PROFISSIONAL.

 

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor

 

Dr.Helder Montenegro lança livro

Livro Helder

Já está disponível para compra o livro de Dr.Helder Montenegro, Fisioterapeuta, Helder Montenegro é reconhecido como um dos maiores especialistas no tratamento da coluna vertebral no Brasil. É diretor geral do Instituto de Tratamento da Coluna Vertebral (ITC Vertebral), rede de franquia de clínicas de fisioterapia especializadas em tratamento para doenças da coluna, com mais de 70 unidades no Brasil e em Portugal.

 

Luis Henrique Cintra

 

Acesse: http://www.livroherniadedisco.com.br/

A vitória nos alegra, mas a derrota nos ensina.

FINAL_2014

Estamos concluindo o ano, amigos. Em 2014,  movimentos, gestos e atos marcaram a história da Fisioterapia. Em Fortaleza, não foi diferente, algumas situações foram bem importantes para melhorar nosso aprendizado frente ao cotidiano. Chuva, Copa do mundo e feriados, essa salada tornou o primeiro semestre bem difícil para muitos de nós, pois, como a necessidade de deslocamento de nossos clientes é quase sempre necessária, tais itens vieram a prejudicar inúmeros estabelecimentos de saúde funcional.

A inclusão de da Fisioterapia no Anexo III do Simples foi, sem dúvidas, uma das maiores conquistas para nossa profissão. Conseguimos, também, eleger a Deputada Federal Gorete Pereira, única fisioterapeuta do Congresso Nacional. Existe ainda,  no Brasil, um crescente movimento para criação e organização de associações de Fisioterapeutas Empresários com o objetivo de ganhar força para implantação de RNPF(Referencial Nacional de Procedimentos Fisioterapêuticos) junto as OPS(Operadoras de Planos de Saúde).

A vitória nos alegra, mas a derrota nos ensina. Pensando assim, podemos nos precaver e, dessa forma, nos reprogramar. Vamos em frente gente, acreditar que juntos somos mais fortes, que é tolice não se preparar e querer lutar. Vamos trabalhar visando nossa autonomia e não apenas nossa necessidade.

 

Luis Henrique Cintra

Fisioterapeuta Consultor